Caminhando...
 
26
Ago 09

(imagem retirada da internet)

 

“Não há tempo para nada, estamos todos cheios de pressa: não há tempo para ler, nem telefonar a um amigo só para saber se está tudo bem. Como não há tempo, as pessoas por vezes ligam-se e dizem: “Olha, só te liguei para te pedir um favor” e depois de o fazerem, invariavelmente desligam prometendo que para a semana iremos almoçar. E até iríamos se houvesse tempo, mas não há. E assim não vamos almoçar. As pessoas só têm tempo quando estão presas no trânsito ou numa situação em que são obrigadas a ter tempo, tipo presas no trânsito. Ou então à espera do autocarro. Ou à espera da sua vez na consulta. Ou à espera de ser atendido na fila longa. As pessoas têm tempo quando estão à espera. É um tempo forçado, como se fosse numa prisão domiciliária, uma liberdade condicional, mas é tempo. Se não houvesse filas de trânsito ou do talho, ninguém teria sequer este tempo, que não é bem aquele tempo no seu estado mais puro, como o tango de Gardel.
 
Ás vezes ligam-me pessoas que parecem ter tempo para mim e interromperam o seu dia para me perguntar como é que estou: “Que é feito de ti que nunca mais disseste nada?”; que me têm visto aqui e ali, que estou em grande. Perguntam-me se eu tenho falado com aquele amigo que ambos temos em comum ­ – “Ainda andas com aquela?” – se estou mesmo bem, se sempre me mudo, se é verdade o que lhes haviam dito, até que de repente, abruptamente me dizem: “Olha! Chegou a minha vez, estão a chamar o meu nome nas colunas!”; que têm de entrar, mas que ligam mais tarde. As pessoas que dizem que ligam mais tarde nunca ligam mais tarde. As pessoas que dizem que ligam mais tarde quando ouvem o seu nome nas colunas são iguais às que dizem que para a semana iremos almoçar. Não vêm almoçar. Não vão ligar mais tarde. Não vão mais nada.
 
As pessoas sem tempo não o procuram porque se habituaram a não o ter. E quando alguém se lhes abeira e anuncia que tem tempo para lhes dar, assustam-se com essa perspectiva e dizem logo que não têm tempo para isso: “Ai que tenho isto para fazer, ai que não posso, ai que não me dá jeito, ai que não consigo, ai que é impossível!” As pessoas sem tempo não quem tê-lo e por isso o matam. Há pessoas que passam a vida a matar o tempo e deviam ser presas por isso como um qualquer homicida. Porque aí, voltaríamos a ter tempo, como se estivéssemos numa fila de trânsito, à espera que a coisa ande.”
 
Fernando Alvim
 
Custará assim tanto arranjar tempo para quem se gosta? Muito sinceramente acredito que, quando realmente se gosta existe tempo, nem que seja para mandar uma mensagem a saber se está tudo bem ou só para dar um "Olá!" como que a dizer: "Lembrei-me de ti, és importante para mim."
A sociedade em que vivemos e em que naturalmente estamos mergulhados exige muito de nós a todos os niveis mas, para quem mais gostamos e para quem precisa, existe sempre tempo. Havendo vontade, arranja-se tempo. Não valerá a pena aproveitar quem temos aqui, valorizando-os e mostrando-lhes que não nos esquecemos deles?
Penso que é necessário e de extrema importância fazer-se uma mudança e olhar em mais do que uma direcção, em vez de somente se canalizar esforços para sucessos e crescimentos individuais.
publicado por Caminhando... às 21:18
Para essa pergunta "Custará assim tanto arranjar tempo para quem se gosta?" só tenho uma resposta, não, não custa nada, haja vontade, e as coisas acontecem, se há coisa que me entristece é quando algumas pessoas me dão a desculpa da falta de tempo, a mim, que tenho uma vida super corrida mas que arranjo sempre tempo para quem gosta, por mim, por eles, e por isso dou muito val0r a quem dá do seu tempo à amizade, a mim e afasto-me de quem guarda o seu tempo só para si, mata o tempo, com a falta de vontade e se não tem tempo não ama, não gosta, não cuida, logo não merece.
sara maria a 28 de Agosto de 2009 às 22:43
Olá Sara!
É isso mesmo!! Quem gosta cuida e faz por estar com.
Quando também ouço essa desculpa trepo pelas paredes a sério, mas sabes o que mais me irrita ainda? É, ouvir da boca de alguem que nada faz para estar com a familia, e que quando outros tentam, a resposta é sempre: "Não tenho tempo.", é dizer que tem saudades... É do mais hipocrita que há...

Beijinhos para Sara Maria
Caminhando... a 29 de Agosto de 2009 às 15:16
Olá! =)

E está tudo dito, num post.
Não temos sempre presente, ou nem sempre paramos para lembrar que somos o que nos dão, e o que damos aos outros. Se o dia-a-dia, a correria destes, não nos deixa estar com quem quer estar connosco. Ficamos com certeza mais pobres.

Gostei!

Beijinhos,
Bom fim-de-semana
Infinito e Mais Além a 28 de Agosto de 2009 às 13:48
Olá amigo!
O grande problema da nossa sociedade é querer mais e mais em vez de dar mais valor às pessoas que nos rodeiam.

Fico contente por teres gostado :)

Beijinhos
Caminhando... a 28 de Agosto de 2009 às 23:05
olá joana

...tenho o livro onde vem esse texto (adoro o Alvim :)) ... ás vezes com a "correria" do dia a dia esquecemonos de valorizar pequenos gestos como um simples gosto de ti ...e o pior é quando nos lembramos disso e já é tarde demais...

beijinho e um bom fim de semana
pingodemel a 28 de Agosto de 2009 às 11:01
Olá amiga!
Também gosto imenso das reflexoes do Alvim :)

O pior é mesmo isso, quando olhamos para tras pode já ser tarde demais..

Beijinhos
Caminhando... a 28 de Agosto de 2009 às 23:01
Disseste tudo em poucas palavras amiga.
Quando se gosta arranja-se tempo. Se as pessoas são importantes arranja-se tempo.
Podemos não controlar o tempo, mas conseguimos controlar o que fazemos com ele.
Mas ás vezes queremos fazer tantas coisas ao mesmo tempo que o tempo parece não chegar.

Beijinho
FilipeP a 27 de Agosto de 2009 às 23:24
Olá amigo Filipe :)

E com esta frase: "Podemos não controlar o tempo, mas conseguimos controlar o que fazemos com ele.", disseste tudo :)

Beijinhos para ti!
Caminhando... a 28 de Agosto de 2009 às 22:59
Olá!
Sabes, antes queixa-me muito do tempo, que não tinha tempo para nada... Mas depois comecei a ver que o tempo que perdia a lamentar-me que não tinha tempo era suficiente para fazer algo que gosto! Tudo depende de nós, das nossas prioridades e forma de encarar as coisas!
Bonito texto! :)
Beijinho
MissAna a 27 de Agosto de 2009 às 18:38
Olá Ana!
Penso que todos, mais dia menos dia passamos por isso, há que também saber reconhecer o que está mal, tentando modificar.
Nem tudo está fora do nosso alcance.

Fico muito contente por teres gostado do texto :)

Beijinhos
Caminhando... a 28 de Agosto de 2009 às 22:58
Muito interessante este texto, Joana. A nossa sociedade anda numa correria desenfreada para ter cada vez mais e esquecem-se de cultivar as amizades verdadeiras. Só se lembram dos amigos quando morrem..; aí, faltam até ao trabalho para irem ao funeral. Desta vez arranjaram tempo.., para quê?. Olha, se não pensarmos nos amigos e na família agora, um dia, se chegarmos a velhos, viveremos ma solidão...; não teremos um amigo sequer que nos vá visitar e não teremos também a quem fazer uma visita. Dou sempre esse conselho aos meus filhos: cultivai os AMIGOS...; um casa sem amigos não sobrevive.., depressa entra na monotonia da vida a dois e o casamento acaba por sofrer com isso. É preciso ter um grupinho bom com quem se saia de vez em quando, com quem se converse e se troque ideias. Portanto tu, Joana, que ainda és novinha pensa bastante nisso e pensa que é presciso qualidade de vida e isso se traduz em ter o sificiente e deixar tempo para se valorizar as pessoas e os momentos preciosos que a vida nos dá. Para que serve termos demais? O caixão tem gavetas? Não..., não tem...; fica cá tudo e ele só nos leva a nós. Um beijinho e parabéns pelo tema

Emília
comecardenovopt.blogspot.com a 27 de Agosto de 2009 às 18:27
Querida Emilia,

Mais um comentário teu que adorei!!

Hoje, pensa-se mais no ter do que que em conservar... Há que definir prioridades sem duvida.

Obrigada pelas tuas palavras e sabes, sou novinha e, tento e faço por mimar e fazer ver aos meus o quanto gosto deles e o quanto são importantes para mim. Para Viver e ser feliz não é necessário como dizes ter muito, mas sim ter o necessário pois o mais importante sãos as pessoas que nos rodeiam. Sinto-me muitas das vezes completamebte desintegrada dos jovens da minha idade sabes, em que só interessa é pedir, pedir, pedir sem haver qualquer preocupação relativamente ao facto de dar ou não jeito aos pais providenciar isso... enfim, há que saber manter quem mais gostamos,valorizando-os ao máximo e mostrando-lhes o quanto gostamos deles.

Gostei muito da tua expressão relativamente ao facto do caixão não ter gavetas, está realmente muito bem visto!!

Beijinho muito grande e acredita que é se´mpre um prazer ler-te!
Caminhando... a 28 de Agosto de 2009 às 22:56
Joana:
Este texto chama a atenção para algo que pensamos sempre estar fora do nosso controlo, mas que afinal alerta para o facto de que nem sempre é assim, ou não deveria ser.
Há um espaço de controlo que, se quisermos assumir, temos.
O tempo é um bem escasso, muitas vezes acelerado, ocupado de forma abusiva por outros ou por preocupações, mas bem organizado, há um espaço (pequeno, reconheço-o) em que podemos dispor dele e lembrar, uma vez a um, outra vez a outro, que eles continuam contar para nós.
Nem tudo foge totalmente ao nosso controlo. Obrigada por lembrar o tema
;)
Marta M a 27 de Agosto de 2009 às 11:52
Olá Marta!
Isso mesmo! Mas, tal como o Fernando Alvim disse neste texto, as pessoas que não têm tempo, é porque não o querem ter...
Sabes, acho que é tudo uma questão de definir prioridades e, tirando uma hora de sono por exemplo, poderiamos, nessa hora, telefonar ou mandar uma mensagem a um amigo ou familiar para saber se está tudo bem e fazer ver que não está esquecido, que é importante.

Beiijnho e não tens nada que agradecer ;)
Caminhando... a 28 de Agosto de 2009 às 21:49
Olá Joana, hoje tenho tempo.
Tenho tempo para reflectir sobre este mesmo tempo e penso agora que sempre que disse ou pensei que "não tenho tempo", o que realmente me faltou foi a vontade, o querer.
Hoje que tenho menos tempo, a vida encurta-se, dedico mais tempo aos pormenores, às pessoas e seus detalhes e particularidades.
Hoje que tenho menos tempo, dedico mais dele a olhar o e quem me rodeia e passei a ter tempo.
Esquecer um amigo por falta de tempo, descurar um amor por falta de tempo? Jamais ou seja nunca mais.
Um beijo
noitesemfim a 27 de Agosto de 2009 às 10:43
Olá meu amigo!
Lindissimo o teu comentário! E é optimo poder ser digna e poder desfrutar desse teu tempo.

Esquecer ou não saber manter um amigo ou um amor Não mesmo!! Há que saber definir prioridades.

Beijo
Caminhando... a 28 de Agosto de 2009 às 21:46
Doce Joana,

Minha querida, o tempo voa, quando há muitos afazeres e responsabilidades, torna-se escasso, há que saber geri-lo, definir prioridades...Os amigos são sem dúvida uma delas ou arriscas-te a ficar sozinho...

Noite de sonhos lindos
Beijokinhas ternurentas
Margarida
MIGUXA a 27 de Agosto de 2009 às 02:05
Minha amiga!

Há que sem duvida definir prioridades pois, querendo, existe sempre tempo para quem mais gostamos. Não o arranjando, corremos o risco de ficar sozinhos e, consequentemente infelizes...

Beijinhos ternurentos
Caminhando... a 28 de Agosto de 2009 às 21:43
Nunca tinha pensado nisso mas é verdade... só temos tempo quando ele nos foi forçado... Eu própria dou por mim a pensar, muitas vezes que não tenho tempo para isto ou para aquilo mas quando realmente queremos um tempinho sempre aparece! Depende essencialmente da nossa vontade!!

Beijinhos
Cris a 27 de Agosto de 2009 às 00:58
Olá minha amiga Colocada

É isso mesmo, depende, e muito da nossa vontade e querer!!

Beijinhos para ti e Parabéns novamente por tão boa noticia
Caminhando... a 28 de Agosto de 2009 às 21:40
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
17
19
21
23
24
25
27
28
29
31
Online
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Visitas
Free Website Counters