Caminhando...
 
31
Jul 10

(imagem retirada da internet)
 

Durante muito tempo estiveste dentro de mim. Foste-te entranhando e fazendo com que tudo ficasse com menos cor a cada dia que passava.

Vieste e impuseste-te.

Chegou uma altura em que a tua presença me sufocava, não me deixando alcançar o objectivo da minha existência: Ser e Viver.

Consegui a pouco e pouco descolar-te de mim. Depois, durante um tempo não te quis perto, tive medo que te entranhasses de novo e que clareasses a cor que me rodeava. Pé ante pé, fui-me aproximando de ti e deixei que ficássemos lado a lado.

Bom poder agora ter a hipótese de escolher ou não a tua companhia. Fazes-me falta, mas só em alguns momentos dos meus dias.

 

Hoje, senti a tua falta e procurei-te. Dei-te a mão e lá fomos. Estivemos junto ao mar, junto do arvoredo e junto da paz.

És tu a solidão.

Em apenas momentos da minha vida a tua presença enriquece-me; em todos eles, enfraquece-me. Por isso, fica aí ao lado companheira e sempre que me fizeres falta, chamo-te e faremos com certeza boa companhia uma à outra.

 

Sabes, eu aprendi a apreciar a quietude da solidão. O silêncio e a introspecção que ela permite são essenciais. Era algo que durante muito tempo pensei que nunca iria acontecer, mas frequentemente tenho necessidade desse espaço.
Mas para mim existe aquela grande diferença entre estar sozinho e sentirmo-nos sozinhos. A segunda é raro acontecer. É dificil explicar, mas mesmo nesses momentos em que estou sozinho tenho sempre a sensação que estou acompanhado. Certamente também te acontece a ti :)

Por outro lado não conseguimos fugir da nossa essência social. Precisamos desse contacto físico ( de ouvir palavras e sentir emoções, de olhar nos olhos ) com os outros. Isso faz parte do nosso equilibrio interior.

Em conclusão precisamos dos dois para estarmos realmente bem connosco e sentirmos esse equilibrio interior.

Beijinho Joana
FilipeP a 4 de Agosto de 2010 às 13:17
Olá Filipe!

Que bom que consegues apreciar a "quietude da solidão" e sentir-te assim em paz.
Estar sózinho e estar só é de facto muito diferente pois uma implica imposição e a outra implica uma escolha.

Só conseguimos enriquecer estando e debatendo ideias com o outro sem dúvida. Só assim conseguimos crescer enquanto pessoas.
Por outro lado, os momentos de sossego sabem tão bem. Nestes momentos conseguimos reflectir e até apreciar e dar mais valor aos momentos pelos quais passamos.
Havendo um equilibrio um sorriso se forma no coração e na alma : )

Beiijnhos para ti e que tenhas uma boa noite e muita paz nos teus dias.
Lindo o teu texto Joana, SÓ nem sempre nem nunca como eu costumo dizer, temos momentos para tudo. beijoka grande
TiBéu ( Isa) a 4 de Agosto de 2010 às 10:08
Olá Tibéu,

Bom ter-te por cá!
Esta companhia pode mesmo ser muito doce e enriquecedora, como muito dolorosa e corrosiva.
Há que saber qual o momento em que ela nos pode trazer luz, isto tendo a feliz hipotese de escolher ou não a sua companhia.

Beiijnho igualmente grande, boa noite e obrigada pela presença.

Gostei muito deste texto, Joana. Tudo na nossa vida é necessário, com o devido equilibrio. Nem sempre queremos companhia e muitas vezes não queremos estar sozinhos. Mas há alturas em que nos aborrece a companhia dos outros, nem que seja uma só pessoa. Precisamos de estar sós, tendo como companhia o nosso "eu" somente; este nos basta. É por isso que temos que ter sempre à mão a solidão para que a chamemos quando dela precisarmos. Um beijinho e espero que só a sintas quando a chamares. É muito triste a solidão quando é forçada...quando ela vem sem ser chamada.Até breve, amiga!
Emília
comunicadoras a 2 de Agosto de 2010 às 22:52
Olá Emilia, boa noite!

Obrigada!
É isso. Poder escolher entre ter ou não ter a sua companhia proporciona-nos o tão desejado equilibrio.

Muito Obrigada. Quando ela vem e se instala é terrivel pois se cola de uma maneira incrivel e tanto que magoa...

Um Beijinho grande e muita paz no teu coração.
Lindíssimo post Joana.
A tua descrição é absolutamente clara e todos os que já "estiveram nesse lugar"entendem o que queres dizer.
É um sinal decrescimento interior saber estar sozinha e connosco mesmas, por escolha, claro.
A solidão escava-nos por dentro e cria espaços dentro de nós que depois pode-se preencher com tantas coisas, não é?
Uns dias é uma dádiva, outras nem tanto.
Ter a escolha é o mais importante. Como tenho dias muito preenchidos na escola com pessoas e coisas, procuro essa "amiga" nem que seja apenas uns minutos por dia ;)
Gosto da sensibilidade que emana da tua escrita.
Abraço
Marta M
Marta M a 2 de Agosto de 2010 às 15:00
Olá querida Marta!

Escrevi este texto depois de ter passado o dia tendo-me como companhia. Soube-me mesmo bem ter tido este bocadinho. Ao tê-lo, senti-me grata pois não me lembro de ter tido alguma vez o coração assim: em Paz. O poder escolher é mesmo maravilhoso.
É isso, a solidão escava-nos e corrói por dentro.

Bom poderes também usufruir e sobretudo escolher a sua companhia!

Muito Obrigada pelas palavras e pelo carinho!
Um abraço forte para ti e é muito bom ter a tua companhia!!
está sozinha é diferente de estar só ... todos nós precisamos de momentos só nossos :)

beijocas e boa semana
pingodemel a 2 de Agosto de 2010 às 11:14
Olá Joana!

O poder escolher estar a sós e ouvirmo-nos é tão saboroso, bem como poder estar em paz e ver o que nos rodeia, sentir o vento no rosto e não pensar em nada. Sentir tal como já publiquei aqui: "O amor calado que nos envolve".

Beijocas para ti e Obrigada. Feliz continuação de semana.
Estar só e sentir-se só...a primeira uma reladidade que pode ser desejada e que nos desperta para o nosso eu, que nos ajuda a vislumbrar caminhos por vezes obscuros que podemos clarear, estar só por opção, seja numa noite de lura junto ao mar ou no meio de uma multidão.
Sentir-se só, a mais amarga, a mais torturante das experiências e a menos desejada convivência.
Vim hoje especialmente fazer-te companhia e deixar-te um beijo, respeitando contudo o teu querer a tua vontade de dares a mão á tua companheira de dias que desejo sejam de muita paz.

Manu
Existe um Olhar a 2 de Agosto de 2010 às 01:29
Olá Manu!

Belissima a descrição que fizeste.
Muito Obrigada pelo carinho e pela tão boa companhia que me fazes!

Um beijo grande para ti e desejo que tenhas e passes dias luminosos, ricos e com a paz a teu lado.
Post luminoso Joana! Luminoso na forma como expressas o claro e o escuro da solidão, essa, também, minha grande companheira. Às vezes um vazio sem fim, uma dor, um desamparo; outras, uma paz, uma protecção, um conforto. Há tempos li que não havia solidão tão árdua como a do Verão: "Que vai fazer um solitário para um lugar de férias onde tudo é par, grupo, multidão; onde a solidão é olhada como uma dissidência ou uma descontinuidade; onde o seu portador é visto como um louco ou um lobo?"
Sós, num fim de noite... Mas depois, a luz do dia que nos preenche e restitui. Obrigada pela luz com que iluminaste o meu dia. Abraço-te com carinho
descobrirafelicidade a 1 de Agosto de 2010 às 11:37
Querida Teresa,

Muito Obrigada!
Como dizes, a solidão tanto pode ser óptima e enriquecedora, como corrosiva e dolorosa.

Um abraço bem aconchegante e muita luz neste Verão ( e sempre) para ti Teresa amiga
Gostei muito deste texto, Joana. E concordo contigo, pois faço o mesmo. Todos nós precisamos de momentos a sós, tal como precisamos de companhia. Tem de haver um equilíbrio para nos podermos sentir bem. Tempo para nós próprios, para reflectirmos, pensarmos e estarmos apenas connosco faz falta muitas vezes...
Bjns
cuidandodemim a 1 de Agosto de 2010 às 11:13
Olá!
Obrigada : )

O estar sozinhos quando o coração está em paz é como dizes, um momento em que estamos com o nossa "eu" e podemos pensar e reflectir. Sinto que é também um momento em que podemos parar, contemplar e sentirmo-nos gratos por estarmos aqui e podermos vislumbrar as cores e riqueza que este mundo tem.

Beiijnhos e boa noite para ti
OláJoana!
Estar só, não significa sofrer de solidão, porque se pode sentir uma tremenda solidão mesmo com muita gente ao redor.
Solidão é um estado de alma, profundamente triste, que deprime e faz sofrer imenso. Estar só por vezes é muito necessário, para se pensar e refléctir com calma. Quando se sente verdadeiramente a solidão, não há por quem chamar, porque não nos ouvem.
Minha querida, sózinha ... sim. Solitária... não!
Beijinhos e bom Domingo.
Rosinda a 1 de Agosto de 2010 às 08:31
Olá Rosinda!

E tão doloroso que é quando nos sentimos como que dentro de uma caixa isolada, enquanto o mundo lá fora corre e nós dentro dele, fisicamente só.
Poder chamá-la é uma riqueza imensa.

Um beijinho e votos de boa noite.
Doce Joana,

Solidão é um sentimento que intimida, nos deixa como que fora de qualquer relação com o próximo, isolados...

Realmente, estar só...apenas pontualmente e por opção e, mesmo assim, que bom é encontrar um sorriso à nossa espera quando acabamos o nosso retiro

Muitos beijinhos doces
Tua amiga do coração
Margarida
MIGUXA a 31 de Julho de 2010 às 23:37
Olá Margarida!

A solidão amarra e faz com que tudo perca a cor pois cega, mesmo quando temos um arco-íris em frente.
Depois do retiro, como lhe chamas, é muito bom sim ter um sorriso à nossa espera : )

Beijo muito grande e carinhoso para ti e que tenhas uma boa noite!
Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
Online
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Visitas
Free Website Counters