Caminhando...
 
02
Dez 12

(imagem retirada da internet)


Que vivamos com o máximo de dedicação, colocando o melhor que somos no que fazemos. Aproveitemos o dia de hoje (e todos os que temos a sorte de viver) para abraçar, beijar, sentir, aproveitar, perdoar, ouvir, criar, dar, ser, crescer. Que esta caminhada seja percorrida da melhor, mais completa e enriquecedora maneira possível.


Nota: Votos de Feliz Natal e que 2013 traga esperança e serenidade.


28
Abr 12

 

(imagem retirada da internet)

 

“A satisfação de vida não é algo que acontece. Não é o resultado da sorte ou do azar. Não é algo que se possa comprar com dinheiro ou com poder. Não parece depender tanto dos acontecimentos externos, mas sobretudo do modo como os interpretamos. A satisfação é uma condição vital que cada individuo deve preparar, cultivar e defender. Os indivíduos que sabem controlar e orientar a sua experiência interna são capazes de determinar a qualidade das suas vidas, isso é o mais próximo que podemos estar de uma autêntica satisfação de vida”

Czikszenmihalyi

 

“A autêntica satisfação de vida não só é possível, como se pode e deve cultivar, identificando e utilizando muitas das fortalezas e recursos que o individuo já possui: ao identificar e desenvolver o melhor de si, o indivíduo melhora sensivelmente a sua vida e a de quantos o rodeiam”

Seligman

09
Jan 12

 

 

“Sou um só, mas ainda sou um. Não posso fazer tudo, mas posso fazer alguma coisa. E, por não poder fazer tudo, não me recusarei a fazer o pouco que posso.”

 

Autor desconhecido

28
Dez 11

 

Que 2012 seja um ano em que a esperança impere. Um excelente ano e tudo de bom para todos!

11
Dez 11

(imagem retirada da internet) 

 

“Não devemos pedir que os acontecimentos ocorram como queremos, devemos querê-los como ocorrem: assim a vida será feliz”.

Epicteto

 

Ter assuntos mal resolvidos só nos faz mal. Cultivar sentimentos de revolta, raiva, incapacidade para perdoar, vai-nos corroendo e destruindo pouco a pouco.

É difícil aceitar a perda de pessoas queridas, doenças, e tantos outros acontecimentos que nos causam grande sofrimento. É sobretudo complicado aceitar que há coisas que não podemos mudar, pois não estão sob o nosso controlo, mas a verdade é que a vida não nos segue, somos nós que a temos de acompanhar.

 

Ao não aceitar tornamo-nos amargos, tristes, tratamos os outros da maneira como nos sentimos e a nossa visão da vida fica limitada, pois a única coisa que fazemos é fugir, deixando de ver o que nos rodeia, e consequentemente que a vida nos passe ao lado. Quanto mais resistimos mais perpetuamos o sentimento, tornando-o mais pesado. Em vez de ter algo a correr atrás de nós, podemos trazê-lo para o nosso lado, pôr-lhe a mão por cima dos ombros e dizer: “Que posso eu aprender contigo?” Há que optar entre viver fugindo ou viver sentindo, e entre sobreviver ou efectivamente viver desfrutando ao máximo desta caminhada.

A dor não desaparece, mas em vez de fugir, podemos aprender a saber lidar com ela. Existe sempre alguma ilação a tirar e oportunidades para crescer.

 

Para aceitar é preciso estar disposto a enfrentar o que nos causa sofrimento, tentando compreendê-lo, e perceber o que aquele acontecimento nos fez ver, que antes não tínhamos capacidade para ver.

Algo que acredito é que a capacidade para aceitar é maior quanto maior for a nossa ligação à vida. Para que esta ligação seja conseguida, precisamos de estar primeiro ligados a nós.

Aceitar não é desistir nem tão pouco resignar-se. É um processo muito complicado, moroso, e pressupõe um intenso trabalho interior. Conseguindo-o, começamos a percorrer um caminho de paz e a vida alarga-se em sentido e profundidade, porque nos tornamos mais atentos e sensiveis a novos aspectos. 

 

 

Nota: É bom estar de volta!

18
Jul 11

 

"Ninguém nasce a odiar outra pessoa pela cor da sua pele, pela sua origem ou pela sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar."

Nelson Mandela

 
 
01
Jun 11

 (imagem retirada da internet)

 

“O nosso maior medo não é que sejamos incapazes.
O nosso maior medo é descobrir que somos muito mais poderosos do que pensamos.
É a nossa luz e não as nossas trevas, aquilo que mais nos assusta.
Procurar ser mediano não vai ajudar em nada o mundo. Não existe nenhum mérito em diminuir os nossos talentos, apenas para que os outros não se sintam inseguros ao nosso lado.
Nascemos para brilhar e essa luz está em todos, não apenas em alguns. Quando deixamos a nossa luz brilhar, inconscientemente damos permissão para que outras pessoas possam também manifestá-la. Assim que nos libertamos do nosso próprio medo, a nossa presença automaticamente liberta outros.”

 

Marianne Williamson

 

30
Abr 11

 

 (imagem retirada da internet)

 

“É acreditando nas rosas que as fazemos desabrochar.”

Anatole France

 

 

Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Online
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Visitas
Free Website Counters