Caminhando...
 
26
Ago 09

(imagem retirada da internet)

 

“Não há tempo para nada, estamos todos cheios de pressa: não há tempo para ler, nem telefonar a um amigo só para saber se está tudo bem. Como não há tempo, as pessoas por vezes ligam-se e dizem: “Olha, só te liguei para te pedir um favor” e depois de o fazerem, invariavelmente desligam prometendo que para a semana iremos almoçar. E até iríamos se houvesse tempo, mas não há. E assim não vamos almoçar. As pessoas só têm tempo quando estão presas no trânsito ou numa situação em que são obrigadas a ter tempo, tipo presas no trânsito. Ou então à espera do autocarro. Ou à espera da sua vez na consulta. Ou à espera de ser atendido na fila longa. As pessoas têm tempo quando estão à espera. É um tempo forçado, como se fosse numa prisão domiciliária, uma liberdade condicional, mas é tempo. Se não houvesse filas de trânsito ou do talho, ninguém teria sequer este tempo, que não é bem aquele tempo no seu estado mais puro, como o tango de Gardel.
 
Ás vezes ligam-me pessoas que parecem ter tempo para mim e interromperam o seu dia para me perguntar como é que estou: “Que é feito de ti que nunca mais disseste nada?”; que me têm visto aqui e ali, que estou em grande. Perguntam-me se eu tenho falado com aquele amigo que ambos temos em comum ­ – “Ainda andas com aquela?” – se estou mesmo bem, se sempre me mudo, se é verdade o que lhes haviam dito, até que de repente, abruptamente me dizem: “Olha! Chegou a minha vez, estão a chamar o meu nome nas colunas!”; que têm de entrar, mas que ligam mais tarde. As pessoas que dizem que ligam mais tarde nunca ligam mais tarde. As pessoas que dizem que ligam mais tarde quando ouvem o seu nome nas colunas são iguais às que dizem que para a semana iremos almoçar. Não vêm almoçar. Não vão ligar mais tarde. Não vão mais nada.
 
As pessoas sem tempo não o procuram porque se habituaram a não o ter. E quando alguém se lhes abeira e anuncia que tem tempo para lhes dar, assustam-se com essa perspectiva e dizem logo que não têm tempo para isso: “Ai que tenho isto para fazer, ai que não posso, ai que não me dá jeito, ai que não consigo, ai que é impossível!” As pessoas sem tempo não quem tê-lo e por isso o matam. Há pessoas que passam a vida a matar o tempo e deviam ser presas por isso como um qualquer homicida. Porque aí, voltaríamos a ter tempo, como se estivéssemos numa fila de trânsito, à espera que a coisa ande.”
 
Fernando Alvim
 
Custará assim tanto arranjar tempo para quem se gosta? Muito sinceramente acredito que, quando realmente se gosta existe tempo, nem que seja para mandar uma mensagem a saber se está tudo bem ou só para dar um "Olá!" como que a dizer: "Lembrei-me de ti, és importante para mim."
A sociedade em que vivemos e em que naturalmente estamos mergulhados exige muito de nós a todos os niveis mas, para quem mais gostamos e para quem precisa, existe sempre tempo. Havendo vontade, arranja-se tempo. Não valerá a pena aproveitar quem temos aqui, valorizando-os e mostrando-lhes que não nos esquecemos deles?
Penso que é necessário e de extrema importância fazer-se uma mudança e olhar em mais do que uma direcção, em vez de somente se canalizar esforços para sucessos e crescimentos individuais.
publicado por Caminhando... às 21:18

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
17
19
21
23
24
25
27
28
29
31
mais sobre mim
pesquisar neste blog