Caminhando...
 
14
Dez 09

 

(imagem retirada da internet)

 

O perdão é algo que considero de extrema importância para que um coração ferido (seja por que razão for) se possa regenerar e voltar a sentir.

Muitas comparações são feitas entre o perdoar e o esquecer aliás, como li ainda há pouco: “O perdão é o esquecimento completo e absoluto das ofensas, vem do coração é sincero, generoso e não fere o amor-próprio do ofensor.”

 

Considero, acredito e sinto que, perdoar não pode ser sinónimo de esquecimento. Quando se desculpa sim, consegue-se esquecer depois a atitude que levou à necessidade de um pedido de desculpas pois, atitudes menores são passíveis de ser desculpadas visto que, não causaram danos permanentes em alguém. Enquanto, quando o que foi feito/dito feriu seriamente os sentimentos de alguém e fez com que a marca deixada ficasse permanente, o Perdão aqui considero o indicado.

Ao perdoar, o ressentimento dissolve-se e, a marca continua lá mas, não está constantemente no pensamento, tendo em conta que, já se conseguiu enfrentar o tormento de frente, aliviando a constante corrosão interior.

 

O perdão tem várias interpretações. Para uns é divino e impraticável pelos homens, algo que, talvez com um pouco de ingenuidade, eu acredite. Existem de facto pessoas de muito má índole, havendo ainda assim Grandes Pessoas. Gosto de pensar que existem pessoas fiéis, leais e que saibam de facto respeitar o outro. Felizmente e com muito agrado, conheço algumas, o que faz com que não acredite que todo o ser humano, por sê-lo, seja incapaz de conseguir perdoar.

 

Quando se sente necessidade de perdoar alguém que nos é muito próximo e nos magoou bastante, acredito que podem ser dadas segundas oportunidades, aliás, julgo que todos podemos ser dignos de uma nova oportunidade, tendo apenas que mostrar (de forma sincera) que se pode ser de novo merecedor de confiança. Importante será mostrar-se arrependido e ciente do erro cometido e fazer por merecer de novo a atenção e apreço.

Ao perdoar, ficasse livre de rancores, não sendo correcto, nem justo, situações presentes serem comparadas com antigas.

 

Perdoar dissolve o sentimento e é um passo emocional, uma decisão individual de libertar de dentro do nosso ser a carga que nos oprime.

Acredito assim que: “Perdoar é saber curar-se sem quebrar, é ser suficientemente forte para suportar o peso do sofrimento e ter capacidade de recuperar!”

 

Para terminar, acredito que ao perdoar estamos acima de tudo a fazer um favor a nós mesmos!

 

publicado por Caminhando... às 21:39
Que bonito post Joana! Já o li e reli inúmeras vezes. Fez-me bem ler-te sobre o perdão. Tal como tu considero que perdoar não é esquecer e que "ao perdoar estamos acima de tudo a fazer um favor a nós mesmos". Não se pode ser feliz conservando sentimentos de ódio, vingança ou rancor pelo sofrimento interior que tais sentimentos acarretam. Perdoar é uma libertação. No entanto, creio que perdoar só as grandes almas são capazes
descobrirafelicidade a 18 de Dezembro de 2009 às 14:30
Olá :)

Muito Obrigada! Fico muito contente por teres gostado!
Ao guardarmos rancores e ressentimentos estamos pura e simplesmente a criar barreiras, fazendo com que não consigamos ser verdadeira e completamente felizes.

Julgo que todos temos a capacidade de perdoar mas, nem todos a desenvolvemos, daí concordar, com pena, com a tua última frase.

Um abraço demorado e reconfortante para ti minha Amiga
Caminhando... a 18 de Dezembro de 2009 às 14:50

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
19
20
22
23
24
25
26
28
29
30
31
mais sobre mim
pesquisar neste blog