Caminhando...
 
15
Mai 10

(imagem retirada da internet) 

 

Hoje, enquanto me dirigia para a entrada de uma superfície comercial, vim lado a lado com uma senhora que também ia entrar. Ouço-a a fungar, uma e duas vezes, achando que não era som de simples constipação, e por isso decidi olhar. Ao faze-lo, vi a sua face coberta de lágrimas. Ao vê-la assim, primeiro pensei se devia, e depois decidi perguntar se estava tudo bem (pergunta esta já com resposta…). Continuando a olhar para o chão, a senhora suspira, olha para mim, e diz-me que não está tudo bem mas que agradece o facto de eu ter perguntado. Ouvindo-a, antes de me ir embora, deixei-lhe um sorriso, tendo esta, devolvido um pequenino, mas com brilho no olhar, deixando o meu também brilhante.

 

Este momento, fez-me questionar relativamente à nossa dificuldade ou mesmo falta de vontade de falar com “desconhecidos”.

Estamos aqui todos com o mesmo objectivo: ser felizes; somos todos alcançados por tristeza, mágoa e dúvidas. No fundo, temos todos personalidades diferentes, maneiras diferentes de percorrer esta caminhada mas temos muito para partilhar, muito para dar e porque não percorrer este caminho sem que olhemos para os outros como desconhecidos?

 

 

 “Diz o mestre:

 

Vontade. É uma palavra que nós devíamos colocar sob suspeita durante algum tempo. Quais são as coisas que não fazemos porque não temos vontade e quais aquelas que não fazemos porque são arriscadas?

Eis um exemplo de que confundimos com “falta de vontade”: falar com desconhecidos. Seja uma conversa, um simples contacto, um desabafo, raramente conversamos com desconhecidos. E achamos sempre que “foi melhor assim”. Acabamos por não ajudar e por não ser ajudados pela Vida.

A nossa distância faz com que pareçamos muito importantes, muito seguros de nós mesmos. Mas, na prática, não estamos a deixar que a voz do nosso anjo se manifeste através da boca dos outros.”

Do livro Maktub, de Paulo Coelho

publicado por Caminhando... às 19:19
Joana, todos somos desconhecidos... até nos conhecermos!
Por aqui, ainda se vêm alguns sorrisos, mesmo de gente desconhecida!
Lembro uma vez em que fui a Paris e vendo uma pessoa cair tentei ajudar a levantar. O meu filho que vive lá há bastante tempo impediu-me. Fiquei espantada quando me contou que por fazer isso já tinha ido á policia... acusado de querer roubar a pessoa ...é triste! Coisas deste tempo... as pessoas têm medo muitas vezes sem fundamento.
Um beijinho
Rosinda a 17 de Maio de 2010 às 19:12
Olá Rosinda!

Esse episódio que partilhas-te é de facto terrivel. No fundo, revela que as boas intençoes, como a que tiveste, não são encaradas assim, como sendo boas, têm sempre algo mau por detrás.
Nem sempre é assim felizmente, mas como dizes nessas situações, o medo começa a ser tão grande que chega a ser desnecessário.

Beijinhos
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31
Online
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Visitas
Free Website Counters